Empresa do Cietec lança jogo de realidade virtual que não causa efeito colateral

0
512

VR Monkey cria game para amantes de corrida ao estilo MadMax

Um grande desafio para os desenvolvedores de jogos de Realidade Virtual é acabar com o seu efeito colateral. Conhecida com cinetose, ou enjoo de movimento, os sintomas podem incluir dores de cabeça, cansaço visual, náusea, suor frio, tontura e tremores. Isso acontece devido a falha na comunicação do corpo parado e dos olhos em movimento que acabam confundindo o cérebro.

Cansados de se sentirem enjoados ao jogarem e ao permanecerem por muito tempo com os óculos de realidade virtual, os desenvolvedores da VR Monkey – startup da Incubadora de Empresas de Base Tecnológica USP/IPEN – CIETEC –, que trabalha com jogos eletrônicos e aplicações de realidade virtual, criaram o Apocalypse Rider, um jogo de VR que não causa efeito colateral enquanto diverte.

Aqui na VR Monkey, além de desenvolvedores somos consumidores apaixonados pela tecnologia e isso nos alertou para algo que já vinha nos incomodando: a cinetose e o enjoo ao ficar muito tempo com os óculos. Movidos por uma necessidade pessoal, resolvemos criar um jogo que não tivesse nenhum tipo de consequência ruim para o usuário. Agora me sinto feliz em dizer que conseguimos”, comemora Pedro M. Kayatt, CEO da VR Monkey.

A solução
No caso específico dos jogos de corrida, o problema da movimentação, que causa alguns efeitos colaterais, é o steering, ou o girar do jogador. Segundo Kayatt, esse fator pode ser solucionado com a troca simples. “O Apocalypse Rider não tem o girar, para a sua movimentação é usando o tilt da cabeça e não um guidão/volante, e isso faz com que o movimento seja semelhante ao de se inclinar em uma moto ou numa bicicleta, sendo muito mais natural”, explica o CEO.

O jogo, desenvolvido pela VR Monkey, conta ainda com uma aceleração gradual e não abrupta, outra coisa que causa muito mal-estar nos jogadores. Um último fator solucionado pela empresa foi a questão do acidente. “Quando há algum acidente, quando batemos é normal desacelerar o jogador imediatamente. Essa mudança brusca causa muitos dos efeitos colaterais, pois isso nós decidimos mostrar um visor quebrado e então o reiniciamos em uma posição de segurança”, esclarece.

O Jogo
Baseado em um mundo pós-apocalíptico, o Apocalypse Rider é um jogo de motocicleta VR arcade, no qual é possível explorar cidades por meio de suas estradas cheias de surpresas, sempre em alta velocidade e evitando o tráfego hostil. O foco do jogador é se manter vivo até o final.

São 20 níveis de adrenalina VR, com cinco motocicletas disponíveis (e dezenas de atualizações). Para melhorar a experiência há ainda Gamepad e o suporte de controle de movimento.

O jogo está disponível na Oculus Store para Samsung.

Sobre a VR Monkey
A VRMonkey é referência nacional no desenvolvimento de experiências de Realidade Virtual, sempre trazendo conteúdos de Altíssima Qualidade. Através de parcerias com grandes empresas e universidades, a VRMonkey traz o melhor da tecnologia de computação gráfica para criar experiências interativas atuando em setores de educação, simuladores, jogos, arquitetura e live-action (vídeos 360). Com profissionais experientes em engines como Unity 3D e Unreal 4, seus projetos já tiveram destaques internacionais e também estimulamos a comunidade através do Meetup SPRV – São Paulo Realidade Virtual.

Sobre o Cietec
O Cietec, Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia, inaugurado em abril de 1998, tem como missão incentivar o empreendedorismo e a inovação tecnológica, apoiando a criação, fortalecimento e a consolidação de empresas e empreendimentos inovadores de base tecnológica. Em suas unidades de negócio, São Paulo e Mogi das Cruzes, são conduzidos processos de incubação de empresas inovadoras, em diferentes níveis de maturidade. Nesses processos o Cietec oferece serviços de apoio para demandas nas áreas de gestão tecnológica, empresarial e mercadológica, além de infraestrutura física para a instalação e operação dessas empresas. O Cietec possibilita a ampliação d o índice de sobrevivência e competitividade das micro e pequenas empresas, oferecendo a excelência de sua infraestrutura, a capacitação do seu recurso humano e a comercialização e busca por investimento, como o investimento-anjo, capital semente e venture capital (capital de risco).